BOLA CHEIA E BOLA MURCHA - 08/08/2016

BOLA CHEIA
 
Bola Cheia par a o Ceará que na sua partida contra o Vasco da Gama quebrou o recorde de publico no Brasileiro da Série B, levando 54.440 pagantes ao Castelão. Dias antes o São Paulo quebrou o recorde na Série A com 54.996 pagantes. Mas no campo uma partida muito ruim daqueles que são o Lider e o Vice Lider na Série B e onde o 0x0 acabou sendo nota do jogo e foi nota acompanhada pelo "árbitro" Rafael Traci que cometeu erros infantís e mostrou novamente sua má qualidade.
 
Bola Cheia para o Brasil 3x0 China na rodada de abertura do futebol feminino nas Olimpiadas e contra um adversário que pouco exigiu na primeira etapa, mas melhorou na segunda atacando um pouco mais, apesar de não levar grande perigo á meta brasileira. Nossa equipe bem postada defensivamente, teve Formiga uma guerreira apesar de seus 38 anos de idade tomando conta do meio de campo, e a nosso entender muito individualismo das atacantes.Mas foi uma boa estreia e a tendencia é de melhorar ainda mais. Boa arbitragem da canadense Carol Chenard sem maiores problemas para conduzir tecnica e disciplinarmente.
 
Bola Cheia para o Atlético Paranaense 2x0 Corinthians na Arena da Baixada com recorde de público, mas de futebol mais de "pegada", porém legitima, que de belas jogadas com o Atlético mandando na primeira etapa, mas de maneira inócua, com finalizações somente do "gordinho" Walter de media e longa distancia. Melhorou o Corinthians na etapa final e, contraditoriamente, nesta fase acabou levando os dois gols atleticanos e dele, "o gordinho". Excelente resultado para os locais e ruim para o Timão que passou somente uma rodada na liderança da competição. Anderson Daronco não teve problemas técnicos pela inexistencia de lances polêmicos, controlava bem disciplinarmente a partida, mas nos tres minutos finais, já nos acrescimos, estragou este comportamento "afinando" em não expulsar primeiro a Lucas Fernandes por solada desleal no corpo de Uendel, e Guilherme logo em seguida por carrinho violento sobre Galhardo.
 
Bola Cheia para uma imagem emocionante vista durante a semana: Mario Jorge Lobo Zagalo, em cadeira de rodas, recebendo a tocha olimpica das mãos de Carlos Alberto Parreira. Zagalo debilitado nem a tocha segurava e que foi colocada num equipamento anexo á cadeira. Parabens ao "velho Lobo" pela coragem e determinação e pelas provas de amor que sempre demonstrou ao país.
 
Bola Cheia para Chapecoense 1x1 Palmeiras muito menos pelo brilhantismo da partida, mas muito e mais pela entrega das duas equipes em busca da vitoria. Inicio melhor palmeirense, mas uma falha de seu goleiro, após posição irregular do atacante Kempes, mudou as coisas até o final da primeira etapa com o crescimento dos locais. Mais uma vez voltou o Palmeiras na segunda etapa com maior ação, mas esbarrou nas defesas portentosas do goleiro Danilo que somente foi vazado na penalidade máxima marcada e convertida no gol do empate. No "frigir dos ovos" um empate que acabou sendo justo apesar das reclamações fortes contra a arbitragem de Wilton Pereira Sampaio pela marcação da penalidade máxima, que para nós existiu, e curiosamente em atuação melhor que muitas anteriores pecando, e muito, nas suas movimentações e colocação no acmpanhamento dos lances. Gol da Chapeconse com Kampes impedido, no primeiro momento, e não no momento da conclusão quando a bola antes de ser socada pelo goleiro foi levantada na area palmeirense, e sem que o assistente Bruno Raphael Pires (mal posicionado) acionasse seu instrumento de trabalho.
 
PARABÉNS BRASIL, VOCÊ ENCANTOU O MUNDO... Um espetaculo de abertura digno dos maiores elogios, de beleza, de criatividade, de cores, e luzes, e de extrema alegria.
 
Bola Cheia novamente para o Brasil 5x1 Suécia no futebol feminino, com as brasileiras voltando a se apresentar bem e sem dar a minima chance ás disciplinadas suécas. É efetivamente nossa seleção uma das mais fortes candidatas na conquista de medalha, e se o futebol apresentado até aqui continuar. Provavelmente não se tera mais Cristiane, contundida, e isto poderá representar um dano considerável para nosso ataque. Muito bom trabalho da mexicana Lucila Venegas, com minimos erros, nenhum problema disciplinar e penalidade maxima bem marcada para o Brasil.
 
Bola Cheia, digamos, Meio Cheia para o Palmeiras 2x1 Vitória jogo que reconduziu o Verdão á liderança do Campeonato Brasileiro (pelo menos até a segunda feira). Uma penalidade máxima desperdiçada, alguns gols "feitos" perdidos, um gol contra de seu zagueiro representariam um saldo de gols maior e não se precisaria usar o "entre parentesis" acima. Dominio verde, até um bom futebol, Vitória se defendendo mais que atacando, e assim foi até meados do tempo final e até o gol contra de Thiago Martins quando o Vitória pressionou e ate poderia ter empatado não fossem defesas de Jailson. Braulio Machado com altos e baixos especialmente na não marcação de algumas infrações, marcou bem penalidade maxima para o Palmeiras, mas deixou de marcar outra sobre Cleiton Xavier. Disciplinarmente poderia ter expulsado a Zé Roberto por carrinho violento.
 
 
 
"A CRIATIVIDADE É A INTELIGÊNCIA SE DIVERTINDO"
 
 
 
 
 
 
BOLA MURCHA
 
Bola Murcha, mas muito murcha mesmo, para Alessandro que foi suspenso por doping por dois anos. Para um jogador com 35 anos de idade certamente representa o fim de uma carreira, e até aqui com sucesso do filho de Lela e irmão de Richarlyson. Não pode mais servir de exemplo aos mais jovens nem pelo que fez nos clubes onde passou. Punição exemplar para que sirva, também, como lição e alerta aos demais apesar de que, temos certeza, haverá recurso e a pena sera muito reduzida.
 
Bola Murcha para Dewson Fernando Freitas que no Santos 0x0 Flamengo, e que no terceiro minuto de acréscimo na etapa final, deixou de marcar penalidade maxima para os cariocas e pelo uso do braço na bola, em lance dentro da pequena área santista,  produzido pelo zagueiro Caju do peixe. Pelo que se pratica aqui, inclusive por ele proprio várias vezes, é para marcar, apesar de que entendemos nós como lance casual e somente cobramos a não marcação pela "idiotice" que se instituiu em nossa arbitragem para tais lances.
 
Bola Murcha para o Brasil 0x0  Africa do Sul pelo futebol masculino, e numa frustração total com o mau desempenho de nossa "badalada" seleção que foi dominada pelos africanos até sua equipe perder o jogador Mvala expulso. Se a teoria nos mostrava que teriamos uma equipe forte ofensivamente, a prática foi bem diferente e com total decepção pela fraca apresentação. Fica agora somente a expectativa que foi somente a tensão da estréia e que ainda se veja o que todos imaginavam. Muito boa arbitragem do espanhol Antonio Lahoz, sem erros técnicos e expulsando com acerto á Mvala.
 
Bola Murcha para o São Paulo 1x2 Atlético Mineiro, mas muito e mais pelos tres pontos perdidos e não pelo que se viu especialmente no segundo tempo. Primeiro tempo ruim do São Paulo mas redimindo-se na etapa final, mandando no jogo, tendo inumeras oportunidades de gol, mas encontrando o goleiro Vitor numa noite incrível de muita categoria e alguma sorte. Poder-se-ia dizer que o resultado foi injusto, mas isto seria ofensivo ao Galo que fez seus gols legitimamente e ainda teve um mal anulado por impedimento. E não existe injustiça quando uma equipe marca mais gols que a outra de forma legitima. Leandro Pedro Vuaden se houve bem na arbitragem, controlou bem a disciplina e com pequenos erros. Gol de Fred mal anulado, por impedimento, mas em lance de extrema dificuldade para o assistente Jorge Bernardi, aliás,  daqueles que somente se veem por TV.
 
Bola Murcha para a primeira "competição" das Olimpiadas: Galvão Bueno e Glória Maria falando "abobrinhas", um querendo ofuscar e corrigir o outro, e o outro querendo "corrigir e ofuscar o um". Nem o que se via acontecendo na abertura, com momentos de mensagens ao mundo, mãos dadas entre publico e participantes, organização perfeita, seriedade e serenidade na condução do espetaculo, união e respeito entre todos, não serviram de "espelho" ou lição para estes dois...
 
Bola Murcha para o Santos que foi ao Horto enfrentar ao América, "lanterninha" da competição e se deu mal perdendo pela contagem mínima, e sofrendo o gol aos 45 minutos da etapa final, jogando com dez jogadores pela expulsão do goleiro Vanderlei. Primeira etapa "sonolenta" mas com o Santos melhor e etapa final com os locais crescendo e levando mais perigo á meta santista, marcando quando não mais havia maior tempo para a reação dos visitantes. Perdeu o Santos a liderança, e mais, Vanderlei expulso e Lucas Lima com terceiro amarelo ficam de fora contra o Atlético Mineiro. Arbitragem de Pablo dos Santos Alves de minimos erros técnicos, um unico Cartão Amarelo não mostrado a atleta do America, expulsão correta de Vanderlei mas exageradamente indeciso para tomar a decisão, jogando-a inclusive ás costas do Assistente Luis Filipe Gonçalves Correia quando tinha total condição de decidir sozinho.
 
QUE HORROR BRASIL, VOCÊ NOVAMENTE DECEPCIONOU A MILHÕES... Teu futebol das "jovens estrelas" e do "menino das baladas" não está mais iludindo ninguém. Milhões prá lá, milhões pra cá, carrão pra lá, carrão pra cá. Que saudade dos jogadores que sabiam o que representava uma camisa amarela. Pode até vir a ser campeão, mas tú não ilude mais ninguém. E vocês menininhos mimados que sairam sem dar uma entrevista sequer deveriam ter o mesmo tratamento da imprensa quando quizessem falar...
 
IRAQUE 0X0 ARAQUE... Mi cale se quiserem, mas nem Jesus nos salva mais. Ria comigo pois agora não adianta chorar.
 
 
O IMPORTANTE É ESTAR PRONTO PARA, A QUALQUER MOMENTO, SACRIFICAR O QUE SOMOS PELO QUE PODERÍAMOS VIR A SER...

Fale Conosco

Segunda a Sexta - 09:00 as 18:00
Sáb. e Dom. - 07:30 as 13:30
11 3392-5440
aagsp@aagsp.com.br
Obrigado por sua visita
Volte Sempre
  

Associação de Árbitros da Grande São Paulo

Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro

9390050

11 3392-5440

photo AAGSP - Associação de Árbitros da Grande SP
Work:
Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro
Mauá,SP   9390050
Work:11 3392-5440