BOLA CHEIA E BOLA MURCHA 07/05

BOLA CHEIA

 

BOLA CHEIA para a belissima partida decisiva entre Agua Santa 1x0 Bragantino, com o Netuno devolvendo o resultado de Bragança Paulista mas que, para sua infelicidade na decisão de Tiros desde o Ponto Penal acabou derrotado. Tanto um como outro mereceriam o acesso á Primeira Divisão, o disputaram com disciplina, mas somente um poderia chegar e esse foi o C.A. Bragantino. Parabéns ao Massa Bruta, ao nosso amigo Marquinhos Chedid e uma palavra de incentivo ao Agua Santa que caiu de pé, e o que é mais importante, e repetimos, de maneira absolutamente disciplinada e graças ao trabalho de seu Treinador, também nosso amigo Jorginho "Cantinflas". A infelicidade na partida foi a contusão de Luis Flavio Oliveira aos sete minutos da segunda etapa, ele que fazia uma arbitragem irrepreensível juntamente com seus Assistentes Daniel Paulo Zioli e Evandro de Melo Lima, mas teve de ser substituido por Roberto Pinelli, o quarto árbitro, e este auxiliado pelo otimo comportamento das equipes não teve nenhum problema para conduzir a partida até seu final. Parabéns Bragantino no seu retorno á Primeira Divisão de onde estava longe desde 2015, e merece também citação, e não é demais repetir, o Agua Santa.

 

BOLA CHEIA também para o São Caetano 3x0 Rio Claro com o Azulão não dando nenhuma chance ao Galo Azul, e com a vitória retornando á Divisão Principal de São Paulo. Partida totalmente tranquila para o time do ABC e com o Rio Claro muito longe do que foi ao longo da competição, propiciando assim mais uma "subida" do Rei do Acessso, sua 17a., Luis Carlos Martins. E o detalhe importante que "matou" os rioclarenses nas duas semifinais foi o fato de que levou cinco gols, e todos eles marcados de cabeça. Arbitragem dentro da normalidade de Vinicius Furlan, uma ou outra falta não marcada, na primeira etapa "segurou" o impeto dos jogadores com Cartões Amarelos, e bem. Foram ao todo nove Cartões Amarelos na partida. Colocou-se e movimentou-se com segurança não interferindo em nada no resultado final. Nossos cumprimentos ao São Caetano, bem como ao Rio Claro que caiu, mas caiu de pé respeitando a superioridade do adversário.

 

BOLA CHEIA para o Santos 3x2 Santa Fé numa espetacular partida de futebol,

especialmente na primeira etapa, e uma vitória de enorme importancia para a sequência do Peixe na Libertadores. Muita emoção, gols em sequência, melhor inicialmente o Santos e em seguida com o Santa Fé equilibrando as ações e colocando em risco a vitoria santista. Segunda etapa de maior equilibrio com os colombianos tendo várias oportunidades de gol, mas foi mais feliz o Santos marcando e decidindo a seu favor. Arbitragem do uruguaio Andrés Cunha com falhas mas mostrando sua boa qualidade, administrou alguns Cartões Amarelos, "pegou" perfeita vantagem quando do segundo gol do Santos, mas errou em três ocasiões transformando tiros de canto para o Santa Fé em tiros de meta para o Santos.Detalhe: duas destas situações ocorreram após os 43 minutos finais.

 

BOLA CHEIA para o São Caetano 2x1 Bragantino, resultado que deu o titulo de Campeão da Série A2 ao Azulão, e de quebra o coloca na Copa do Brasil em 2018. Jogo dificil com Bragantino "saindo em cima" logo de inicio, e São Caetano aos poucos equilibrando as situações. Mesmo panorama na segunda etapa, chances para os dois lados, e São Caetano mais feliz nas conclusões e por consequencia chegando á vitória. Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza fez muito bom primeiro tempo, onde quem falhou foi Bruno Salgado Rizzo anulando por impedimento inexistente a gol dos locais, e em mais outro impedimento logo após. Já na segunda etapa o árbitro não nos agradou totalmente, marcando faltas que não existiram, e para nós rigoroso demais na expulsão de Esley do São Caetano.

 

BOLA CHEIA para a Internacional que em Monte Azul deu um passo importante para seu retorno á Série A2 do Paulistão. Jogo nervoso, muita pressão, mas o empate por um gol acabou fazendo justiça ao Leão. Melhor equipe na primeira etapa, bem arrumado taticamente, e sem dar grandes chances ao adversário. Na segunda etapa as coisas mudaram, o Internacional retrancou após marcar seu gol a 1 minuto, e esta atitude "empurrou" o Monte Azul para cima de sí. Resistiu e somente passou problemas mais sérios após a expulsão de Jucão, sofrendo assim o empate. Final emocionante com o goleiro Rafael Pim do Internacional fazendo defesas importantes. Trabalho dificil para Vinicius Furlan na partida, anulação de gol do Internacional aos 6 minutos corretamente por impedimento na ação de Alex Alexandrino. Expulsão de Jucão acertada pelo "segundo" Cartão Amarelo, correta também expulsão de Savio, do Monte Azul. Acréscimos corretos e nenhuma interrferencia negativa na partida.

 

BOLA CHEIA para o Corinthians 1x1 Ponte Preta no resultado que confirmou o titulo de Campeão Paulista 2017 e que, em verdade, já havia sido "ganho" na primeira partida. Jogo bastante diferente das grandes finais, Ponte Preta tentando apertar o Timão no inicio, mas este fazia o jogo que lhe convinha, mais administrando que verdadeiramente jogando. Méritos totais pela conquista corinthiana, equipe ao inicio desacreditada, mas que com Fabio Carille e uma garotada cheia de sonhos e boa de bola, chegou ao objetivo final sem nada a desabonar. A Ponte Preta tambem merece elogios, eliminou "os papões" Santos e Palmeiras perdendo sua chance maior dentro de casa. A Ponte jogou a segunda partida como deveria ter jogado a primeira, e o Corinthians jogou a primeira como se esperava jogasse a segunda. Parabéns ao S.C.Corinthians Paulista pela conquista de seu 28o. título paulista.

 

 

MUITAS VEZES É A FALTA DE CARATER QUE DECIDE UMA PARTIDA. NÃO SE FAZ LITERATURA, POLITICA E FUTEBOL COM BONS SENTIMENTOS...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

bola murcha

 

bola murcha para a fatalidade ocorrida com Luis Flávio Oliveira quando dirigia Agua Santa x Bragantino numa das decisões da Série A2 do Paulistão, e que o tiraram da sequencia da partida, além da oportunidade possível de ser o árbitro da decisão do Paulistão entre Corinthians e Ponte Preta. Não somos especialistas, mas podemos ter o direito de pelo menos palpitar. Teria sido o gramado do Distrital Inamar o responsável pelo que aconteceu? Claramente seu pé "travou" no gramado, e não "deslizou" provavelmente devido a falhas existentes. Boa sorte a você Luis Flávio e que se recupere o mais rapido possivel para voltar aos campos, já que conversando com ele na noite após o jogo vem a boa informação de que não houve fratura.

 

bola murcha para Fagner, lateral do Corinthians, antes suspenso e fora da partida final do Paulistão por conta de uma "paulistinha" mostrada por TV, e não vista pelo árbitro. Já é hora deste jogador "tomar um chá de erva cidreira" e acalmar seus nervos nas partidas. É as vezes violento, reclama muito das arbitragens, e aparece sempre nas confusões. É excelente jogador, tem mesmo bom nivel para Seleção Brasileira, mas tem de mudar. Desta feita uma agressão, fora do lance de bola sobre Cueva, e totalmente desnecessária. E o "circo" é tão perfeito no nosso futebol que Fabio Carille durante a semana o fez treinar na equipe titular, como se soubesse que a "suspensão" era de "mentirinha" e o "suspenso" jogaria a final...

 

bola murcha para o Palmeiras que, dependendo de um unico ponto para classificar, não consegue seu objetivo e é derrotado pelo Jorge Wilstermann, na Bolivia, por 3x2. A irregularidade da equipe é algo que salta ao olhos, não consegue jamais jogar dois tempos de jogo com participação uniforme, inicia todas as partidas muito abaixo do que poderia e deveria,e tem apresentado falhas defensivas na maioria dos gols tomados. Nesta oportunidade Jean e Vitor Hugo falharam demais e Michel Bastos pareceu-nos "deslocado" como ala pela esquerda. Borja entrou e foi igual ás partidas anteriores e nada produziu. Jogo truncado, campo ruim, muitas faltas e ridiculo tempo de bola rolando, sumiço de bolas e gandulas, e nada muda na organização da Libertadores apesar dos discursos da Conmebol. Na chegada ao Brasil "sobrou" para Eduardo Batista que acabou demitido. Arbitragem de Wilson Lamourox sem erros técnicos de vulto, controlou a disciplina jogador a jogador, mas foi mais um "bananão" com relação ao anti jogo praticado pelos locais e

sem que tomasse providencias. Dois gols anulados do Palmeiras e os dois corretamente por impedimentos, penalidade máxima de Fernando Prass existiu, definiu 5 minutos de acréscimo ao final, mas destes permitiu, por falta de atitude apenas 2 minutos efetivos e numa partida em que se jogou somente um total de apenas 43 minutos, ou seja, em 90 jogou-se menos que um tempo de 45 minutos.

 

bola murcha para as derrotas brasileiras no meio de semana e pela Libertadores. Botafogo, Atlético Paranaense perdendo dentro de casa para Barcelona e San Lorenzo, além de Palmeiras e Grêmio derrotados por Jorge Wilstermann e Deportivo Iquique. Sinal dos tempos... Somente Atlético Mineiro, Flamengo e Santos salvaram a honra de nosso futebol na rodada.

 

bola murcha para o Corinthians que, após estar sendo processado pelo Coritiba, e pelo não pagamento da compra de Kazim (1.3 milhão), se vê novamente acionado na justiça e agora pela Penapolense (1.7 milhão) pela parte que lhe cabia na venda de Marlone, da qual tinha parte dos direitos.

 

bola murcha para a administração do Pacaembú que, com as equipes do Santos e Snta Fé perfiladas não conseguiu colocar no ar o Hino Nacional. Equipes sairam e foram ao meio de campo para minuto de silencio, perfiladas no grande circulo uma em frente a outra, para homenagem a Rafael Longuini que perdeu seus familiares num acidente. Eis que neste momento recomeça a tocar o Hino Nacional e ninguém lhe dá atenção esperando o inicio da partida. Percebendo a "mancada" e criando outra, simplesmente interromperam o hino e o árbitro iniciou o jogo em que o mesmo fosse completado.

 

bola murcha para o Nacional 1x2 Olimpia numa das semifinais a Série A3, onde não conseguiu apesar dos fatores campo e torcida, superar seu adversário que agora necessita de um simples empate em sua casa para retornar á Série A2. Muitas chances desperdiçadas pelas equipes, sendo o Olimpia mais feliz marcando com dois gols de cabeça na segunda etapa. José Claudio Rocha Filho arbitrou, pequenos erros relacionados á indisciplinas na fase final, e mais acertos que erros técnicos.

 

bola murcha para a primeira utilização do árbitro de vídeo em nosso país. Idéia perfeita, ajudará o futebol com maior legitimidade, mas o que se viu em Sport x Salgueiro não ajudará em nada a excelente idéia de utilização. Leia em Materias Especiais...

 

 

O QUE FINALMENTE EU MAIS SEI SOBRE A MORAL E AS OBRIGAÇÕES DO HOMEM DEVO

AO FUTEBOL...

Fale Conosco

Segunda a Sexta - 09:00 as 18:00
Sáb. e Dom. - 07:30 as 13:30
11 3392-5440
aagsp@aagsp.com.br
Obrigado por sua visita
Volte Sempre
  

Associação de Árbitros da Grande São Paulo

Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro

9390050

11 3392-5440

photo AAGSP - Associação de Árbitros da Grande SP
Work:
Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro
Mauá,SP   9390050
Work:11 3392-5440