BOLA CHEIA E BOLA MURCHA - 26/06/2017

BOLA CHEIA
 
BOLA CHEIA para o Santos que na Bahia não tomou conhecimento do Vitória, aproveitou com Copete uma chance em cada tempo, fez 2x0 e terminou a rodada na terceira colocação. Não foi uma partida de facilidades, o Vitória esteve bem na partida, perdeu algumas chances e teve no primeiro tempo o goleiro Vanderlei á sua frente. Talvez as coisas pudessem ser diferentes se Heber Roberto Lopes (ele mais uma vez) tivesse marcado penalidade maxima clara de David Brás sobre Nerilton. Mas de qualquer forma fez o Peixe por merecer a vitória e a consequente subida na classificação. Arbitragem de Heber Roberto Lopes não nos agradou, aliás nem deveria estar em escala, pois vinha de um Sport x São Paulo sem marcar duas penalidades máximas para o Sport, e agora deixou de marcar mais uma.  Marcou ao final uma para o Sport, e corretamente, aliás desperdiçada por Kieza.
 
BOLA CHEIA difícil de se dar foi para Palmeiras 1x0 Atlético Goianense, e isto pelo péssimo futebol jogado pela equipe palmeirense, e ela somente é dada pois valeu três pontos e melhor posição na tabela. Mas quem falasse deste jogo, antes dele começar, dificilmente não deixaria de dizer que éra ele uma "baba" e possível goleada. Não foi, o time ainda precisou de algumas defesas de Prass e cá para nós, da toda "pinta" de existirem problemas de relacionamento no grupo. Antonio Moraes de Souza, do Piaui, mostrou-se bom árbitro e a principio uma boa surpresa para se tentar melhores aproveitamentos. Não "aparece", é calmo e tranquilo, gesticula somente o necessário, posiciona-se bem, merece ter continuidade para se firmar. Decidiu com real acerto na partida, em várias situações, o que de melhor existe nas Regras: Usou muito bem a conjugação de texto espírito deixando o jogo seguir, privilegiando as vantagens reais, e não simplesmente marcando infrações para cumprir texto.
 
BOLA CHEIA para o Corinthians 3x0 Bahia numa partida em que o resultado numérico não refletiu o que se viu em campo. Iniciou bem o Bahia "apertando" o Corinthians, apesar de Cassio ser pouco exigido. Foi basicamente a "fotografia" da primeira etapa com o Timão tentando explorar contra ataques rápidos, e num desses saiu o gol de Jô. No retorno nada mudou e o Bahia continuou pressionando ao Corinthians, e para maior preocupação perdeu Gabriel expulso aos onze minutos e aqui erroneamente. Onze contra dez fariam o Bahia crescer ainda mais na partida, porém a  arbitragem "quebrou o galho" e errando novamente numa clara compensação, quatro minutos depois expulsou malandramente a Rene Junior do Bahia. Mesmo assim foi valente o Bahia, sofreu o segundo gol mesmo atacando mais e nos acréscimos seu zagueiro "entregou" o terceiro gol e placar final. Independentemente das observações, teve méritos o Timão em mais uma vitória. Mais uma arbitragem que não gostamos com Dewson Freitas novamente não marcando faltas claras, e ao mesmo tempo e curiosamente marcando outras inexistentes, nos parecendo "uma para cá, outra para lá" e nas expulsões foi exatamente assim. Observe-se que Gabriel, já "amarelado"  deveria ter recebido o segundo amarelo muito tempo antes, (aos 27minutos de jogo) mas o árbitro omitiu-se expulsando-o naquela que seria uma jogada normal e onde somente toca a bola. Não só por esta partida, mas por todas que vimos deste árbitro, entendemo-o "inteligente"  e "esperto" demais para a função. Será que é deste tipo de árbitro que o futebol brasileiro necessita? José Ricardo da Silva, seu assistente, errou na marcação de dois impedimentos.
 
BOLA CHEIA para o Guarani que ao vencer o Nautico assumiu a liderança da Série B do Campeonato Brasileiro. É mais um excelente trabalho de nosso Amigo Oswaldo Alvarez, o Vadão. A curiosidade na partida foram os gols: todos marcados através de penalidades máximas.
 
BOLA CHEIA para o Palmeiras que parece mesmo que devagar vai engrenando, e curiosamente, com varios jogadores não considerafos titulares e dando conta do recado. Comandado por Guerra teve otima postura defensiva e nada permitindo ao ataque pontepretano que muito exigisse de Prass. Fez 1x0, levou o empate rapidamente, continuou equilibrado até marcar seu gol e vencer por 2x1. A Ponte Preta entretanto não foi aquela equipe que até pouco tempo se via, e parece em momento de declínio. Wagner Reway mostrou-se algo confuso, critérios não definidos em marcações e/ou punições. No final da partida expulsão de Rodrigo por ofensa, e nos acrescimos Tche Tche e Renato Cajá "se pegaram" e foram bem expulsos. Mas de uma maneira geral não mostrou equilibrio e segurança nas suas decisões.
 
BOLA CHEIA para o Corinthians "chiquitito pero cumpridor" e para aqueles que achavam ser "fogo de palha" aí está lider e invicto não tomando conhecimento do badalado Grêmio de Renato Gaucho que nesta semana deve falar mais mansamente. "Chiquitito" pois não fez grandes investimentos, usa a maioria formada na base, manteve um Treinador que era tido como "tampão", e cumpridor pela obediência a Fabio Carille em cada movimento de campo. Grêmio 0x1 Corinthians não foi como sempre brincamos "uma goleada" mas foi uma vitória de quem está no caminho certo para o título.E finalmente uma grande arbitragem de Wilton Pereira Sampaio que  vive bom momento, mais assentado, com personalidade, e impondo-se no comando do jogo. Abrimos mão de análises de lances individuais preferindo dizer que acertou quase tudo na partida.
 
BOLA CHEIA para Cassio, mil vezes Cassio, Cassio, Cassio, Cassio, que sem que se tire os meritos da equipe como um todo "ganhou" o jogo contra o Grêmio. Inumeras defesas e até penalidade máxima defendeu...
 
 
"PLANTAR É OPCIONAL, MAS COLHER É OBRIGATÓRIO. A SUA VIDA DEPENDE DAS DUAS ESCOLHAS.
 
 
 
 
 
 
bola murcha
 
bola murcha, e aqui ao contrário do Palmeiras, para o São Paulo derrotado no Paraná pelo Atlético Paranaense, mas jogando bom futebol especialmente na segunda etapa. O 1x0 favorável aos locais foi justo, pois seu gol marcado foi legítimo e não houveram erros na arbitragem que alterassem o resultado final. E o resultado deixa o tricolor em situação complicada pois ao final da rodada era o 14o. colocado e "rondando" o Z4 somente com um ponto a mais. Pela derrota e má classificação sim, mas uma bola murcha nem tanto merecida nesta atuação.
 
bola murcha mesmo é para a campanha tricolor neste Campeonato Brasileiro.  As cinco derrotas em nove rodadas é seu maior recorde negativo na competição desde o início da era dos pontos corridos, e seu maior numero de derrotas desde o ano de 2003. Resta saber se Rogério Ceni ainda é unanimidade entre seus dirigentes, ou se, veladamente, já se admite a possibilidade de sua saída.
 
bola murcha para o "árbitro" Dewson Fernando Freitas que mais uma vez, e ja houveram várias outras, "conserta" seus erros cometendo outros. "Amarelou" Gabriel do Corinthians de forma correta, logo em seguida deveria ter expulsado com o segundo amarelo e se omitiu. Expulsou aos onze minutos da segunda etapa e de maneira absurda pois nem falta existiu. "Avisado" ou "se tocando" da besteira feita, quatro minutos depois expulsa a Rene Junior, do Bahia e sem nenhuma razão. Vamos perguntar novamente: É deste tipo de árbitro que o futebol brasileiro necessita?
 
bola murcha para o Santos 0x1 Sport num bom jogo de futebol, com os pernambucanos surpreendendo, praticando um futebol solidário, com tranquilidade, defendendo-se muito bem, e tendo bastante volume de jogo com a bola em seu poder. Já o Santos não foi agudo como precisava, teve bons momentos de posse de bola, mas "girava" excessivamente sem muitos momentos de profundidade. Foi esta a primeira vitoria do Sport frente ao Santos ao longo de toda história deste jogo. Rafael Traci foi um árbitro que teve bons momentos, mas sua movimentação entendemos equivocada e aparecendo sempre á frente da linha e direção da bola.Mas não se comprometeu, errou logo no inicio numa falta sobre Vitor Ferraz quando este "apareceria" na cara de Magrão. E  neste lance nenhuma colaboração do "poste" e do assistente Ivan Carlos Bohn, que aliás errou absurdamente na não marcação de impedimento de Lucas Lima e mostrando ser "bohn" mas no nome. Seu companheiro Luciano Roggenbraum errou tambem em marcar um impedimento do Sport. Entendemos ainda que o gol do Sport foi legal por acharmos que o defensor santista "tentou jogar" e não foi uma situação de "bola desviada" no defensor, mas poderão existir interpretações diferentes. E na partida uma "raridade" na arbitragem brasileira: Houve uma reversão de arremesso lateral marcada contra o Sport, e com total acerto. Falamos em "raridade" pois acontecem em todas as partidas e ninguém "tá nem aí"...
 
bola murcha para Romero, do Corinthians e suas ridículas simulações de "cotovelada, tapa, ou soco na cara", que vem se tornando uma constante e que não tem sido punidas pela arbitragem. Extremamente útil para a equipe necessita "se coçar" pois, repetimos, está cada vez mais ridículo.
 
bola murcha para as coisas que  andam "cada vez mais feias" pelos lados do Morumbi e o Z4 continua "convidando" a equipe para dele participar. E desta vez Renan Ribeiro o salvou da derrota...
 
bola murcha para o triste fim da Portuguesa Desportos que pela primeira vez, em 38 anos, não terá nenhuma competição nacional para jogar. Foi da A para a B, da B para a C, da C para a D, e neste fim de semana ao perder  para a Desportiva ES, ficou totalmente fora destas disputas em 2018, virando apenas uma equipe local em São Paulo. Sobrou para ela a Série A2 nos primeiros três meses do proximo ano, e eventualmente a Copa Paulista após Julho,  se quiser jogar alguma competição no segundo semestre daquele ano. E o que é ainda pior e mais complicado: para voltar a alguma competição nacional terá que, obrigatoriamente, voltar á Série A1 do Paulistão, ou, a ela disputando ser a Campeã da Copa Paulista.
 
 
"OCULTAR A IGNORÂNCIA É MELHOR QUE TRAZÊ-LA A PÚBLICO"

Fale Conosco

Segunda a Sexta - 09:00 as 18:00
Sáb. e Dom. - 07:30 as 13:30
11 3392-5440
aagsp@aagsp.com.br
Obrigado por sua visita
Volte Sempre
  

Associação de Árbitros da Grande São Paulo

Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro

9390050

11 3392-5440

photo AAGSP - Associação de Árbitros da Grande SP
Work:
Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro
Mauá,SP   9390050
Work:11 3392-5440