BOLA CHEIA E BOLA MURCHA - 17/07/2017

BOLA CHEIA
 
BOLA CHEIA para o Palmeiras que homenageando a Osmar Santos batizou seu Centro de Imprensa na Arena com o nome do "Garotinho". Uma homenagem merecida a quem dedicou longos anos, com raro brilhantismo, ás narrações no futebol braslieiro. É o "Pai da Matéria" reverenciado no Allianz Parque...]
 
BOLA CHEIA para o Santos na sua importante vitória frente ao Atlético Mineiro, no Horto, pela contagem mínima. Jogo de muita igualdade, até ligeiramente superior o time mineiro, mas sem concluir nas melhores jogadas de ataque, as vezes por inabilidade e outras pelas defesas de Wanderlei. Gol santista de bela feitura em cobrança de falta, e aos "48" minutos da etapa final. Complicada a situação dos atleticanos que até pouco tempo faziam do Horto seu maior fator de vitórias. Duas penalidades máximas foram perdidas, uma cada equipe e com defesas de Vitor e Wanderlei ainda na primeira etapa. Marcelo de Lima Henrique esteve regularmente na partida, controlando-a com segurança, marcando uma penalidade máxima para o Santos "na malandragem" do atacante mas que somente percebida por TV, e outra para o Atlético e esta indiscutivel. Não interferiu negtivamente na partida ou no resultado.
 
BOLA CHEIA para o Corinthians que, á sua maneira, segue iluminado e com tudo dando certo e nas horas certas. Mais uma vez dominado pelo adversário, que aliás não é fraqueza e sim estratégia, chega uma vez ao ataque, acontece uma penalidade máxima e marca seu primeiro gol. Até aí o goleiro adversário não tinha feito nenhuma defesa. Vem a segunda etapa e o quadro não muda, com o Palmeiras propondo o jogo, mas agora o Corinthians chegando um pouco mais e conseguindo mais um gol. Corinthians 2x0 Palmeiras foi um resultado justo, os gols foram legais, e neste aspecto novamente méritos totais ao Timão. Vemos o Palmeiras num momento de desestabilização, nada da certo, algumas insistências de seu Treinador nos parecem equivocadas e a equipe não tem nenhum padrão.Neste jogo Tche Tche foi lateral pela direita, meio campista e depois lateral pela esquerda. Roger Guedes iniciou atacante, depois fez meio de campo, foi lateral pela direita e terminou como atacante novamente, e isto somente para citar três jogadores ja que a dupla de ataque no final foi formada por Borja e Mina... Arbitragem de Leandro Pedro Vuaden sem problemas técnicos, penalidade maxima bem marcada, mas disciplinarmemte ficou devendo, e muito, na partida. Situações para Cartão Amarelo foram omitidas e até mesmo outras para Cartão Vermelho. Tche Tche sobre Romero, Fagner sobre Dudu e Arana sobre Borja foram todas agressões fora da disputa de bola. Mais um que pediu calma aos jogadores mas esqueceu de praticar a Regra 12. Seu assistente Mauricio Coelho Penna destoou na grande maioria de suas participações, errando em vários momentos na marcação de impedimentos.
 
BOLA CHEIA para Roger Guedes que no Palmeiras x Corinthians mostrou a garra e a determinação que deveriam ter todos os jogadores para honrar uma camisa. Foi lateral pela direita, foi atacante, fez meio de campo, encerrou como atacante e sempre correndo pelo campo todo. Mesmo com a derrota mereceu nossos elogios.
 
BOLA CHEIA para o STJD que manteve a punição de 15 jogos para Kleber, do Coritiba, pela cusparada no rosto do adversário. E bola murcha para Kleber que, em entrevista, disse que é uma absurda punição e que o STJD prejudica o Coritiba, pois ele receberá sem jogar. (?) Deveria isto sim pedir desculpas ao clube e a torcida que ele prejudicou e não o Tribunal.
 
BOLA CHEIA para o Palmeiras 4x2 Vitória, mas não se iludam pois o futebol foi o mesmo. Primeira etapa muito ruim das duas equipes mas com responsabilidades maiores para o Verdão que corria, corria, mas nada de prático produzia. Levou 1x0, empatou em penalti inexistente e acabou achando o 2x1 no final da etapa. Voltou mais tranquilo escudando-se unica e exclusivamente no brilhante futebol de Dudu, mas os erros continuaram, apenas em menor proporção. E não foi somente o jogo que foi ruim pois Bruno Arleu Araujo conseguiu ser igual ou pior. Sem critérios em marcação/não marcação de faltas, não passa segurança ou confiança aos jogadores, e errou demais em lances determinantes. Nao houve a penalidade máxima marcada sobre Mina no primeiro gol do Verdão, mas em compensação não marcou outra, clarissima, sobre William, e de quebra uma terceira a favor do Vitoria e sobre Patrick.  Pelo que vimos nesta partida está longe de ser árbitro com condição para uma primeira Divisão Nacional. Luiz Claudio Regazzoni acertou na anulação de gol do Vitória, por impedimento, mas errou em outro inexistente de Dudú. Eduardo Souza Couto errou na marcação de um imprdimento da equipe do Vitória. Em resumo, uma arbitragem ruim e que somente "melhorou" após o quarto gol palmeirense quando mais nada aconteceu.
 
 
"QUEM TEM LUZ PRÓPRIA SEMPRE INCOMODA PESSOAS QUE VIVEM NA ESCURIDÃO..."
 
  
 
 
bola murcha
 
bola murcha para o Palmeiras que, por mais que todos saibam, fez exatamente o que o Corinthians deseja de seus adversários para vencer as partidas: "entregar" a bola ao adversário e deixar que joguem e "imaginem" que o estão dominando. Nestas horas é que se precisa de Treinador com visão, e Cuca não a teve. Foram 18 chutes a gol contra 3, foram 61% de posse de bola contra 39%, foram 454 passes contra 272, foram 48 cruzamentos contra 8, foram 14 desarmes contra 13, foram 8 escanteios contra 1. E onde o Corinthians foi superior nos números? Fez 58 lançamentos contra 32. Detalhe: Seus gols sairam exatamente após dois destes lançamentos. Se tal estratégia fosse empregada pela primeira vez como surpresa, tudo bem. mas o Corinthians a usa desde a primeira rodada não é mesmo "mestre Cuca"... Assumir a responsabilidadde após cada derrota não satisfaz seu torcedor, e se varias vezes o elogiamos, agora temos a obrigação de criticar.
 
bola murcha para o San Pablo 2x2 Atlético Goianiense em mais  um desastre  Tricolor no Morumbi. Um catadão correndo desordenadamente pelo campo todo, muita vontade, muita luta, mas nenhuma técnica na preparação e armação das jogadas, e contra uma equipe que pela primeira vez na competição ganha um pontinho fora de casa, e de quebra é o ultimo colocado do Brasileirão. Claro que falamos do São Paulo F.C. de grandes glórias e tradições, e o "San Pablo" acima nada mais representa que uma equipe que entrou em campo com nada mais, nada menos, que cinco jogadores estrangeiros em sua equipe titular. Dai tambem a expressão por nós usada, e nunca ofensiva, de "catadão". O Atlético todo fechado em sua defesa, veio jogar por uma bola, "achou duas" e quase nos minutos finais acha a da vitória. Marielson Alves Silva teve tecnicamente uma arbitragem bem aceitável, muito bem nas concessões de vantagens reais, e disciplinarrmente "ficou devendo" Cartão Amarelo para Petros, além de errar na aplicação de um para o atacante Walter do Atlético. Para sua infelicidade, um erro de seu assistente Alessandro Rocha Matos, não marcando o impedimento de Lucas Pratto no primeiro gol Tricolor(lance de TV) acabou por interferir diretamente no resultado final.
 
bola murcha para os mandantes da rodada numero 13 do Brasileirão que, excetuando-se o Sport não venceram nenhuma partida. E o unico que venceu passou o Palmeiras na classificação, tirou o Verdão do G6, teve gol marcado por Diego Souza e de quebra agora é treinado por aquele que chamavam de "superado": Vanderley Luxemburgo. É mole?
 
bola murcha para o Corinthians 2x2 Atlético Paranaense, e pelo mau resultado e não pela campanha até aqui no Brasileirão. A grande surpresa foi a equipe paranaense que, muito bem organizada em suas linhas, com um meio de campo quase perfeito poderia até ter vencido a partida. Os desfalques do Timão claramente tiveram peso na partiipação da equipe, especialmente Guilherme Arana, faltando assim aquele ala que empurra seus atacantes e vai sempre ao fundo para cruzamentos. Resultado muito justo pois algumas oportunidades também teve o Timão para marcar e não o fez. Arbitragem de Sando Meira Ricci com elevada personalidade, tomando conta do jogo, deixando o jogo fluir o que embeleza o espetáculo, mas deixando de marcar algumas faltas. Se fica "bonito" o jogo, se fica mais "dinamico" o jogo, se prende mais a atenção o jogo, tudo isto é bom, mas tudo isto contraria as determinações das Regras. Sempre proximo das jogadas inibiu eventuais reclamações, priorizou as vantagens, inibiu com sua presença momentos de "cera" de Weverton. Um lance será discutido e ocorrido aos trinta miinutos da etapa final, quando Jonathan tem seu pé pisado por Moisés impedindo-o de seguir na jogada, dentro da area corinthiana e caracterizando penalti, sendo que novamente o "poste" á dois metros do lance somente assistiu.
 
bola murcha para o São Paulo que continua na sua sina de não vencer ( e já são nove sem saber o que é vitória), e desta feita com importância redobrada na derrota para a Chapecoense por 2x0, pois os catarinenses disputam a fuga do Z4 com o tricolor paulista. Partida de pouca técnica, de muita ansiedade em face á situação de ambos na tabela, e com a Chapeoense sendo mais feliz nos momentos de conclusão á gol. Uma arbitragem de extremos de Wagner Nascimento Magalhães que, ao longo dos noventa minutos, muito mais acertou tecnica e disciplinarmente que errou em suas decisões. Porém cometeu dois erros que, teóricamente, poderiam ter mudado os caminhos do jogo e ambos em detrimento ao São Paulo: Deixou de marcar penalidade máxima de Douglas Grolli em Lucas Pratto, e não marcou aos 42 minutos da etapa final uma infração de "defesa em dois tempos" do goleiro catarinense Jandrei, infração que aliás a arbitragem brasileira esqueceu a muito tempo, e que neste caso deveria ter sido cobrada da linha frontal da pequena área. E nas duas situações, lances "na cara" do "poste" que continua não servindo para nada.
 
bola murcha pra Alexandre Kalil, ex-presidente do Atlético Mineiro e atual Prefeito de Belo Horizonte: "No mundo inteiro, o futebol não é coisa para pobre. Doa a quem doer ingresso é caro em todo lugar. Torcida dividida e ingresso a preço de banana só existem no Brasil..." 
 
 
"SÃO NAS ATITUDES QUE VERDADEIRAMENTE CONHECEMOS AS PESSOAS"

Fale Conosco

Segunda a Sexta - 09:00 as 18:00
Sáb. e Dom. - 07:30 as 13:30
11 3392-5440
aagsp@aagsp.com.br
Obrigado por sua visita
Volte Sempre
  

Associação de Árbitros da Grande São Paulo

Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro

9390050

11 3392-5440

photo AAGSP - Associação de Árbitros da Grande SP
Work:
Rua Luís Mariani, 46, Sala 8 Centro
Mauá,SP   9390050
Work:11 3392-5440